LIDE FUTURO Entrevista: Anna Valle, COO da Quattro

“Enxergo que a transformação digital da Logística é uma grande mina de ouro” – Anna Valle

Anna Valle, COO da Quattro, startup de tecnologia para logística e supply chain, filiada ao LIDE FUTURO, já passou por muitos desafios e perrengues em sua vida profissional. Como engenheira de produção, formada pela Universidade Federal de Santa Catarina, sempre foi muito inquieta.

Desde o primeiro semestre da faculdade, ela fez estágios em grandes empresas e participava ativamente de diversos programas estudantis. Um grande desafio em sua carreira acadêmica foi idealizar e fundar o GLean (Grupo de Estudos em Lean), que hoje é uma referência nacional, além de participar da reestruturação do Calipro (Centro Acadêmico da Engenharia de Produção).

E daí veio uma grande paixão, o Baja,  uma competição de veículos off-road, organizada pela SAE (Society of Automotive Engineerings), entre Instituições de Ensino Superior de Engenharia. O desafio do projeto era o desenvolvimento do carro, visando a aplicação prática dos conhecimentos adquiridos em sala de aula. Um projeto que ela trabalhou por quatro anos e com a alegria de ter competido no Mundial de Baja nos Estados Unidos, conquistando o 8º lugar na categoria Geral, que foi disputado com 120 equipes.

Nesta entrevista para o LIDE FUTURO, Anna conta com detalhes os aprendizados de sua vida profissional:

LIDE FUTURO – Conte mais detalhes sobre o projeto Baja e os desafios enfrentados.

ANNA – Além da busca constante por resultados e performance, no Baja aprendi a empatia, o trabalho em equipe, o respeito pelo sonho de cada um e nossa responsabilidade pelo resultado em conjunto… Passamos muitos perrengues juntos. Infinitas noites sem dormir, derrotas, atrasos, choros, discussões, desânimos, algumas várias idas a hospitais, estresse… Mas ganhei muita resiliência, experiência, muitas alegrias, os melhores amigos e meus sócios! 

LIDE FUTURO – E depois do projeto Baja, que durou quatro anos, qual foi o seu próximo desafio?

ANNA – Mesmo recém-formada, eu já tinha alguma experiência e networking. Recebi uma proposta para vir trabalhar e morar em São Paulo, ser gerente de uma empresa de logística! Sem pensar muito, aceitei! Foi um desafio gigantesco! E com muito trabalho, barreiras, obstáculos, dedicação, resiliência, flexibilidade, desafios, sonhos e realizações fui promovida a Diretora de Operações. Trabalhei nessa empresa durante seis anos, até o final de 2017. E era hora de recomeçar! E assim eu recomecei, empreendendo e vivendo um novo sonho até hoje, que é a Quattro, nossa startup de tecnologia para logística e supply chain. 

LIDE FUTURO – Qual é o principal produto hoje da Quattro?

ANNA – Temos a Flowls como nosso principal produto, uma plataforma para transformação digital da cadeia de suprimentos. Integramos e automatizamos os fluxos logísticos, proporcionando um melhor planejamento, controle, previsibilidade e visibilidade para as operações de supply chain.

LIDE FUTURO – Como COO, como é o seu dia a dia na Quattro?

ANNA – O dia a dia é uma loucura, uma loucura boa! Numa startup a gente faz um pouquinho de tudo! [Risos] É zero glamour e muito suor, todo dia é dia, toda hora é hora. Eu brinco que, fazendo uma analogia com a faculdade, é como se toda semana fosse semana de prova, todo dia é de deadline de projeto. Muito trabalho e muito aprendizado. Mas o que eu mais faço e mais amo é a interface e o relacionamento com o cliente, desde a prospecção, venda até a implementação. Entender os processos e as dores de cada um para pensar em como conseguimos ajudá-los! Nós acreditamos muito que a logística tem que ser parte da estratégia das empresas e, entendendo as particularidades e necessidades de cada cliente, conseguimos trabalhar juntos para este objetivo.

LIDE FUTURO – Como você vê o setor de logística no Brasil? Quais os principais desafios que o Brasil enfrenta?

ANNA – Vejo um setor com muitas oportunidades! O Brasil é um país continental com uma malha logística extremamente complexa. Temos uma das maiores despesas de logística do mundo. É claro que muitos desses custos são decorrentes da falta de infraestrutura, problemas nas estradas, falta de integração multimodal etc. Grande parcela destes custos são ineficiências dos processos, desperdícios! Durante muito tempo a logística foi considerada um “mal necessário”, “apenas um centro de custos”. Melhorias de processos, automações, metodologias de gestão, filosofias e ferramentas como Lean, Six Sigma, TOC etc, foram muito difundidas e implementadas nos processos produtivos, mas muitas vezes esquecidas na logística.

LIDE FUTURO – Pode contar um exemplo prático de problema logístico na realidade das empresas?

ANNA – Sim, esses dias uma amiga me ligou impressionada, contando que havia feito uma troca de pontos de cartão de crédito por 12 pratos em uma grande loja de departamento. Como era uma transação do cartão, pela regra, ela precisou fazer um pedido por vez. O espanto dela foi que, numa bela tarde de quarentena, tocaram a campainha da casa dela. Era um entregador com um único prato, devidamente embalado e etiquetado. E, assim, foram mais 12 entregas diferentes no mesmo local, para o mesmo endereço! Seria cômico se não fosse trágico! Imagina o desperdício no pedido, no “picking”, no “packing”, no transporte efetivo, nos materiais… E este é apenas um exemplo do que ocorre diariamente em todos os elos, etapas e com todos os “players” dessa cadeia logística. 

LIDE FUTURO – Existe ineficiência de logística no comércio exterior?

ANNA – Sim, segundo um estudo recente da Receita Federal, as ações sob responsabilidade dos agentes privados: o importador ou seu preposto [despachante aduaneiro], o transportador internacional e o depositário representam mais da metade do tempo total despendido em todos os fluxos analisados na importação de um produto.  Os importadores têm potencial para reduzir em média mais de 40% do tempo total no desembaraço de uma mercadoria. Nessa linha, eu enxergo que a transformação digital da Logística é uma grande mina de ouro. Todos esses exemplos são desafios e grandes oportunidades para tornarmos a Logística do Brasil mais eficiente e competitiva.

LIDE FUTURO – Como a transformação digital pode auxiliar no aumento de eficiência de empresas e setores públicos?

ANNA – Fazendo um resumo, a cadeia de suprimentos é composta por três grandes fluxos: o fluxo de materiais, o fluxo financeiro e o fluxo de informações. Porém, esses três fluxos são muito desconectados e desintegrados. Por se tratar de diferentes intervenientes, diversas etapas, muitos processos e sistemas, as informações ficam fragmentadas e se perdem nas interfaces entre as operações. É como um grande quebra-cabeça com peças soltas e cheio de complexidade. A transformação digital vem para juntar todas essas peças que envolvem os processos, conectando os diferentes atores e sistemas e integrando todo o fluxo de informações para trazer mais planejamento, previsibilidade e visibilidade aos processos. Democratizar a gestão logística e auxiliar os usuários para a tomada de melhores decisões. É como um “gêmeo” virtual que replica os processos físicos no digital, permitindo reduzir desperdícios e ineficiências que resultam em grandes diminuições de custos e no aumento da qualidade percebida pelos clientes internos e externos, com a entrega de uma melhor experiência a todos os elos envolvidos na cadeia.

LIDE FUTURO – Como foi participar do LIDE FUTURO Debate sobre Transformação Digital na Logística?

ANNA – Foi sensacional! A começar pela organização do LIDE FUTURO. Transformação Digital na Logística é algo que eu sou apaixonada, porque envolve gente, processos, tecnologias e inovação. E como se não bastasse, nós conseguimos reunir junto a esse tema muito atual e pertinente, três dos profissionais e empresas que eu tanto admiro no Brasil: o Marcos Alves (Mercedes), o Nestor Felpi (Natura) e o Eduardo Nogueira (DHL). Eles conseguiram trazer, de uma forma bem leve e descontraída, os desafios, possibilidades e oportunidades do setor. Foi um show de conteúdo técnico de logística, de relações humanas, sustentabilidade e muito propósito.

LIDE FUTURO – Desde quando você faz parte do LIDE FUTURO?

ANNA – Faço parte do LIDE FUTURO desde 2013 e é inexplicável o quanto o grupo agrega para mim em termos de aprendizado, experiência, networking profissional e amizades.

LIDE FUTURO – Recentemente vocês foram aprovados no programa IA² MCTI, pode nos contar um pouco disso?

ANNA – Estamos super felizes e empolgados. O programa IA² MCTI é uma iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações em parceria com a Softex. O objetivo é apoiar pesquisa e desenvolvimento de Soluções com Inteligência Artificial. E nossa plataforma é uma dessas soluções selecionadas! Trabalhando com Logística 4.0, nós estamos sempre pesquisando, desenvolvendo e implementando as melhores tecnologias para resolver as dores do setor: inovação para necessidades reais! Trabalhamos muito com robôs (que monitoram em tempo real os status dos processos logísticos), já temos iniciativas com Blockchain, IoT, Machine Learning e agora Inteligência Artificial.

SETEMBRO VERDE ESPERANÇA: ENTIDADES SE UNEM PARA COSCIENTIZAÇÃO SOBRE ASFIXIA PERINATAL

Campanha “Setembro Verde Esperança”, idealizada pelo Instituto Protegendo Cérebros Salvando Futuros em parceria com a AACD, Instituto Jô Clemente e múltiplas entidades em nosso País

Em setembro, o Instituto Protegendo Cérebros Salvando Futuros lançará a campanha “Setembro Verde Esperança”, que tem por objetivo conscientizar a população em geral sobre riscos da asfixia perinatal e dos tratamentos para esta condição, que atinge mais de 1,15 milhão de bebês no mundo por ano.

No Brasil, em um período de 12 meses, estima-se que de 15 a 20 mil bebês nascem com falta de oxigenação no cérebro. A asfixia perinatal ocupa a terceira causa de morte neonatal – 23% da mortalidade de recém-nascidos no mundo inteiro -, além de ser a principal causa de lesão cerebral permanente em bebês nascidos a termo.

Estes números alarmantes chamaram a atenção de entidades e associações brasileiras como a AACD, Instituto Jô Clemente (antiga APAE de São Paulo), Academia Brasileira de Pediatria, além de mais de 20 hospitais brasileiros, que já declararam apoio à campanha “Setembro Verde Esperança”. Nós, do LIDE FUTURO, apoiamos também essa causa, a favor da disseminação deste conhecimento, para fomento de discussões em toda sociedade.

Sobre a Campanha

A asfixia perinatal representa uma dura realidade onde, após realizado o diagnóstico, estima-se que menos de 5% dos recém-nascidos asfixiados em nosso país têm acesso ao tratamento e suporte mais adequado. Com isso, grande parte pode ter o seu futuro comprometido por diversas sequelas neurológicas como paralisia cerebral, deficiência cognitiva, cegueira ou surdez.

Essa campanha escolheu o Verde Esperança para conscientizar a população de que com tratamento adequado podemos minimizar o profundo impacto socioeconômico desta doença em nosso país.

Os principais objetivos dessa campanha incluem: unir instituições apoiadoras com o intuito de sensibilizar a sociedade de que Asfixia Perinatal é um grave problema de saúde pública; alertar os setores público e privado para a necessidade de reduzir o impacto dessa doença em nosso país; e ao reduzir as chances de sequelas em bebês, mudar histórias de vida de milhares de crianças e de suas famílias.

O tratamento adequado a esta população também permite a redução de impactos econômicos incluindo custos diretos com cuidados em saúde como necessidade de exames complementares, internações hospitalares e acompanhamento médico multidisciplinar ao longo da vida. Além disso, ainda há importante redução de custos indiretos, como perda de produtividade e gastos públicos com relação à saúde e necessidade de assistência social.

Sobre o Instituto Protegendo Cérebros, Salvando Futuros

O Instituto Protegendo Cérebros, Salvando Futuros é uma entidade sem fins lucrativos e liderada por um grupo de profissionais de saúde preocupados com o alto número de bebês que evoluem com graves lesões neurológicas após insultos no período neonatal.

O Instituto tem por objetivo disseminar informações acerca da importância de se adotar estratégias eficazes para prevenção de sequelas neurológicas em crianças.

Saiba mais em: www.setembroverdeesperanca.com.br

Conheça o CosmUs, um novo modo de conectar empresários de diversos setores para troca de experiências e aprendizados

Nova ferramenta de networking do LIDE FUTURO promove o conceito de “fraternidade” entre os membros do grupo e usa gamificação para conectar e aproximar filiados 

O LIDE FUTURO, grupo que conecta jovens empresários de todo o País para promover a troca de experiências e conhecimento empresarial, acaba de lançar mais uma ferramenta para auxiliar em sua missão: o CosmUs. Criada a partir do conceito de fraternidade, a iniciativa nasceu a fim de trazer conexões mais humanizadas entre os filiados, que atuam nos mais diversos setores do mercado. 

A ideia consiste na criação de pequenos grupos entre os mais de 300 empresários filiados ao LIDE FUTURO em São Paulo, classificados com nomes de Constelações – daí a origem do termo CosmUs. Com um líder selecionado – normalmente alguém com perfil e maior engajamento no grupo -, a equipe consegue criar conversas qualificadas e troca de experiências multissetoriais, para o aprimoramento de seus negócios.

O CosmUs também auxilia novos filiados ao grupo a se integrarem e fazerem networking com outros empresários. Além dessa ferramenta de conexão, sempre atento ao que acontece no ecossistema de negócios, o LIDE FUTURO também disponibiliza um calendário de eventos para seus filiados, com conteúdo relevante e profissionais de distintas áreas para debaterem as novidades do mercado. Com a pandemia, esses encontros acontecem de 1 a 2 vezes por semana no ambiente online.

Em julho, o grupo, em parceria com a Simple Experiências, promoveu uma semana de dinâmicas a partir dos grupos do CosmUs, com o intuito de auxiliar na integração entre equipes e reforçar os recursos disponíveis no grupo para fortalecimento do networking.

Projeto CosmUS ajuda empreendedores a trocarem experiências e conteúdo durante pandemia

O universo digital passou por grandes mudanças, se tornando ainda mais essencial para os negócios devido à COVID-19. Empresas com atividades tradicionalmente ambientadas no físico tiveram que se adaptar a essa nova realidade. Dentre elas, está o LIDE FUTURO, que busca fomentar a troca de experiências, networking e conteúdo e novos negócios entre seus filiados.

Tendo os eventos físicos como uma de suas ferramentas para conectar jovens lideranças, o grupo precisou adaptar seu modelo para o formato on-line com agilidade. E agora, além de palestras virtuais voltadas aos mais diversos setores, com temas que estão em destaque no mercado, o filiado poderá contar com outra ferramenta de integração: o CosmUS.

Rafael Cosentino, um dos sócios do LIDE FUTURO e CEO da Inovalli, acredita que apesar das consequências, o momento traz novos aprendizados. “Desde antes dos problemas da COVID-19, nós do LIDE FUTURO já estávamos em busca de um ambiente digital para criar uma interação ainda mais forte entre nossos membros. O Corona apenas acelerou nossa transformação digital, que estava prevista até o final do ano”, explica o empresário. 

O processo de mudança do grupo para o ambiente on-line levou cerca de 15 dias. Além dos eventos, o grupo criou um novo modelo de atuação por meio de um ambiente digital exclusivo, com recursos que permitem uma comunicação fluida e maior conexão entre os membros. Para a construção dessa nova forma de comunicação ser efetiva e ter real impacto, a equipe do LIDE FUTURO precisou entender quais eram as dores dos filiados quanto à troca de experiências e networking on-line, que acabou dando vida ao CosmUS.

Com as análises sobre o que impacta os empreendedores de diversos setores, o  grupo decidiu dividir seus filiados em subgrupos, criando assim um conceito de “fraternidade”. “Além de estarmos propagando conteúdo relevante, baseados nas dores dos membros, conseguimos criar um ambiente de ajuda mútua, que surge de uma maior interação entre todos”, pontua Consentino.

Para enfrentar a crise, o acesso a conteúdos multissetoriais se torna uma solução para fomentar um ambiente de discussão em busca de melhores práticas de cada setor, além do auxílio psicológico que essa troca pode trazer aos filiados. Rafael diz que não há uma dica exata para enfrentar esse momento de instabilidade, “o principal é revisitar seu Bussiness Plan, entendendo quais os impactos que a pandemia causará no seu negócio e quais movimentos que você deve fazer, além de, principalmente, se preocupar com caixa”, orienta o empresário.

Para Rafael, o digital vai tomar seu lugar e relevância no mundo dos eventos e negócios. Os eventos digitais aliados a novas formas de relacionamento, como o ambiente digital do LIDE FUTURO e o CosmUS, auxiliarão a mitigar a falta dos encontros físicos nesse momento.

LIDE FUTURO lança ambiente digital para troca de experiências e networking virtual

Em meio à crise do COVID-19, o LIDE FUTURO antecipou passos e lançou no dia 20 de março sua plataforma online no Flock, um ambiente que vai possibilitar a continuidade no fomento de conteúdo, experiências, negócios e networking entre seus filiados – jovens empreendedores, intraempreendedores ou sucessores de empresa familiar.

Além de ter acesso a todos os membros do grupo, tendo maior possibilidade de interação, conexão e oportunidades de negócios, o filiado consegue também debater os principais temas do momento, divulgar sua empresa e se atualizar sobre eventos e assuntos setoriais e por afinidades.

Ao todo, são 5 categorias com 26 subgrupos de discussão de interesses: Oficiais, Em Pauta, Setorial, After e Esportes. A categoria “Oficiais” coloca todos os filiados a par de todas as informações sobre o grupo com uma base completa de networking, a fim de gerar oportunidades relevantes de negócios.  O “Em Pauta” separa assuntos por áreas de atuação para uma troca de experiência mais expressiva. Para falar dos focos atuais do mercado, especialistas filiados serão ponto chave do grupo, que também contará com membros que querem entender melhor cada setor.

Com pautas mais desconstruídas, o “After” tem como premissa trazer conversas e possibilidades de encontros após o horário de trabalho, como forma de aproximar ainda mais os jovens líderes. “Esportes” também estarão em debate para os filiados se conectarem e discutirem os temas deste universo, além de programarem atividades em conjunto.

Evento de estreia

Como forma de engajar e estrear a nova plataforma, foi promovido um LIDE FUTURO Debate, aberto para todos os filiados do LIDE FUTURO, tanto em São Paulo, quanto demais regiões do País.

Com o tema “Proteção de caixa e manutenção de empregos e atividades em meio à crise do COVID-19”, o evento teve participação de especialistas trabalhistas, cíveis, de contratos e tax do escritório FAS Advogados, cujo sócio, Paulo Focaccia, também é sócio do LIDE FUTURO.

Junto ao FAS Advogados, foram debatidas medidas para contenção de crise em aspectos jurídicos. Entre os assuntos abordados estavam home office e teletrabalho, recuperação de impostos e taxas e a suspensão de contratos com fornecedores e clientes.

LIDE FUTURO anuncia nova estrutura de gestão do grupo

Desde outubro de 2017, 12 empreendedores se uniram com o sonho de transformar o LIDE FUTURO, braço jovem do LIDE – Grupo de Líderes Empresariais, de um simples grupo de eventos para uma plataforma protagonista na jornada de jovens líderes, sendo um ambiente de diálogo, conexões, negócios e conhecimento empresarial. Para essa missão, Laís Macedo, que faz parte desses 12 sócios, assumiu o cargo de CEO, com o desafio de tirar esses planos do papel e transformar o projeto em uma empresa. Com sua bagagem de quase oito anos na gestão do LIDE, Laís estruturou o grupo, fortaleceu o propósito, reposicionou a imagem e a atuação no mercado, além de contribuir com novos projetos, com o crescimento de uma base qualificada e um time totalmente preparado.

Com a realização dessas metas e os novos desafios para 2020, é o momento de um novo passo no LIDE FUTURO. Laís Macedo deixa o cargo de CEO do LIDE FUTURO e passa a integrar o Comitê de Sócios Administradores. O time estruturado continua atuando no atendimento e desenvolvimento do grupo, agora liderado por seus sócios. O LIDE FUTURO continuará seu obstinado caminho de ser o melhor HUB de negócios para jovens empresários e centro de conhecimento e networking. O Comitê de Sócios Administradores é liderado por Rafael Cosentino, Fábio Fonseca e Laís Macedo. Junto com o time do LIDE FUTURO, todos estão, como sempre, preparados para atender e representar o grupo, seguindo à disposição para auxiliar os membros nos desafios dos seus negócios e carreiras.

Os sócios do LIDE FUTURO, Rafael Cosentino, Fábio Fonseca, Ivan Bermudes, Luiz Furlan, Otavio Juliato, Marcelo Bernardes, Mario Almeida, Paulo Focaccia, Ricardo Braghetta, Roberto Kanitz e Pedro Waengartner agradecem à sócia Laís Macedo, pela dedicação, esforço, competência e trabalho incansável no desenvolvimento do grupo nos últimos dois anos, e desejam boa sorte, resiliência, força na sua nova jornada empreendedora, além do agradecimento por sua permanência como sócia, auxiliando no projeto.

Laís, que chegou aos seus 10 anos de história no LIDE/LIDE FUTURO convivendo e aprendendo com diversos empreendedores e, tendo assumido uma jornada empreendedora no grupo nos últimos dois anos, dará mais um passo importante em sua carreira. Laís Macedo anuncia seu plano de empreender com marketing de relacionamento, experiência, impacto e influência. Segue com suas palestras nessa temática e, também, sobre o poder do networking. Agora, também, formaliza sua sociedade com Tatiana Sartori, na empresa B4 Marry, focada em eventos pré-wedding.

“Como sócia, entusiasta e apaixonada pelo LIDE FUTURO, sigo totalmente conectada ao grupo, trabalhando pelo seu crescimento e, como sempre, pela jornada dos nossos filiados, dedicada a apoiá-los para usufruírem ativamente do grupo. Apesar de empreender ser muito mais difícil do que nos contaram, é também muito desafiador e gratificante. Então é hora de usar toda essa bagagem para novos planos e sonhos, e seguir contribuindo ativamente com nosso Brasil empreendedor, inovando, movimentando a economia, gerando emprego e renda. É esse o papel do empreendedor que me move”, afirma Laís.

Sócio do LIDE FUTURO participa de debate sobre mercado bancário do Brasil

O evento abordou o marco legal das empresas de pagamento, as regulações do Banco Central e a reforma tributária

O LIDE Alemanha promoveu no dia 23 de outubro, em Munique, o evento “Mercado bancário e de fintechs no Brasil considerando a reforma tributária”. O evento teve a presença de dois palestrantes brasileiros, Paulo Focaccia, especialista em direito digital na FAS Advogados e sócio do LIDE FUTURO, e José Mauro da Fonseca Couto, cônsul-geral do Brasil em Munique.

O encontro reuniu empresas de auditoria, bancos, indústrias e empreendedores, com o objetivo de debaterem o cenário do mercado bancário brasileiro e as questões jurídicas no Brasil referente às chegadas das novas fintechs.

Paulo Focaccia abordou o marco legal das empresas de pagamento, regulações do Banco Central e reforma tributária: “com a reforma em trâmite, as possibilidades de investimentos no mercado brasileiro tendem a avançar de forma crescente, já que os investidores terão uma nova confiança em nosso mercado”.

O Brasil conta com 209,3 milhões de habitantes, sendo que 45 milhões de pessoas ainda não têm acesso a serviços bancários. Focaccia enfatiza que o Brasil tem um mercado de crédito de R$ 2,9 trilhões, o que é algo muito atraente para os investidores locais e estrangeiros.

Para muitos especialistas, a reforma tributária é considerada fundamental para a retomada do crescimento da economia brasileira. A atual reforma tributária em trâmite no Congresso propõe que a carga de impostos seja mantida, mas que haja alteração na forma de cobrança, que passa a ser no consumo e não na produção. 

O que muda com a reforma tributária? Confira as tendências do setor bancário e de fintechs no Brasil

Com aprovação da reforma tributária, mercado de pagamentos e créditos tende a democratizar acesso a serviços bancários e reduzir taxas cobradas

Considerada essencial para a retomada da economia do país, a reforma tributária tramita, com textos complementares, na Câmara dos Deputados e no Senado, visando a simplificar a cobrança de impostos com a unificação de diferentes taxas. 

A reforma propõe que a carga tributária seja mantida, mas que haja alteração na forma de cobrança, que passa a ser no consumo e não na produção. 

De acordo com Paulo Focaccia, especialista em direito digital na FAS Advogados e sócio do LIDE FUTURO, “Com a reforma tributária em discussão, o cenário de investimentos brasileiro tende a avançar consideravelmente, uma vez que retomará a confiança de mercado, ficando mais atraente para os investidores locais e estrangeiros. Além disso, a modificação, que tende a trazer a simplificação dos impostos, possibilitará uma maior transparência e entendimento da forma como se aplicam, fator fundamental para a decisão de aplicar dinheiro.”

O executivo estará presente no evento “Mercado bancário e de fintechs no Brasil considerando a reforma tributária”promovido pelo LIDE Alemanha em parceria com Foccacia Amaral e Lamônica Advogados, no dia 23 de outubro, em Munique, na Alemanha. 

Segundo Focaccia, aliando o cenário com o Decreto 10.029, publicado no Diário Oficial da União em 30 de setembro, que permite ao Banco Central maior autonomia para autorizar a entrada de capital estrangeiro em bancos e fintechs nacionais, há uma grande expectativa de entrada de novos players para estes mercados, o que tende a aquecer ainda mais a economia. Até então, a entrada de estrangeiros no capital de instituições financeiras dependia de autorização presidencial, o que intensificava os custos e as burocracias. 

São Paulo é o coração financeiro do Brasil. Estudos mostram que 71% de todas as fintechs brasileiras estão localizadas na cidade. Com o Decreto, as condições para investimentos serão facilitadas, fomentando a concorrência e, consequentemente, a melhoria dos serviços do setor.  

“É iImportante reforçar que o próprio Banco Central, por meioatravés de suas políticas, tem fomentado o crescimento e a inovação no mercado de pagamentos e de créditos. Por todos esses motivos acreditamos que este setor devae ganhar ainda mais relevância no cenário macroeconômico no Brasil, democratizando o acesso aos serviços bancários e reduzindo as taxas cobradas, fator extremamente relevante para o desenvolvimento.” conclui o especialista. 

Entre os palestrantes do evento em que Focaccia discorrerá sobre o tema estão José Mauro da Fonseca Couto, Cônsul Geral do Brasil em Munique e membro do LIDE no Brasil, e Fernando Salvia, Presidente do Conselho de Administração da FAS Advogados. 

Canabidiol, uma opção de tratamento promissor, para a saúde e para os negócios

O LIDE FUTURO promoveu, no dia 13 de agosto de 2019, a 22ª edição do LIKE THE FUTURE, intitulada: “Cannabusiness: um mercado bilionário”. O evento, que teve como um de seus patrocinadores a HempMeds Brasil, propôs um debate impactante sobre o potencial de mercado do composto da Cannabis Sativa no Brasil e no mundo, o canabidiol (CBD).

Do evento para cá, grandes mudanças já ocorreram. Desde o dia 2 de outubro, pacientes e familiares podem solicitar a importação excepcional de produtos à base de CBD, diretamente no site do Governo Federal. A nova ferramenta foi anunciada no dia 24 de setembro pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A partir deste mês, os pedidos de importação do canabidiol serão feitos em um portal do Governo Federal (link: https://www.gov.br/pt-br/servicos/solicitar-autorizacao-para-importacao-excepcional-de-produtos-a-base-de-canabidiol). A proposta pretende agilizar os atendimentos – que hoje registram espera de quase 50 dias – feitos a partir de um formulário que será enviado diretamente à Anvisa. Este novo processo tende a melhorar o tempo de atendimento e os pacientes poderão acompanhar sua situação de análise do pedido no portal.

A autorização excepcional (RDC 17/2015) concedida pelo governo possui validade de um ano e, durante o período de validade dessa autorização, fica liberada a importação dos quantitativos necessários, sendo que os pacientes ou responsáveis legais deverão apresentar a prescrição médica com o quantitativo previsto para o tratamento.

Linha do tempo de avanços na Anvisa

  • RDC no 38, 12 de agosto de 2013 – Regulamenta o CBD para o “uso compassivo”;
  • RDC no 17, 6 de maio de 2015 – Regulamenta a importação de produtos à base de CBD para uso próprio de pessoa física, mediante prescrição médica;
  • RDC no 156, 5 de maio de 2017 – Inclui a Cannabis Sativa na DCB (Denominações Comuns Brasileiras) como planta de uso medicinal.

Potencial brasileiro

O Brasil possui extremo potencial para o agronegócio, com diversos microclimas e terras. Além de dimensões continentais, conta com muitos países que faz fronteira, o que também garante potencial para exportar produtos via transporte terrestre, fluvial e marítimo. É o sétimo maior PIB (Produto Interno Bruto) do mundo e o país mais populoso da América Latina. Se compararmos com a Colômbia e Uruguai, que estão na nossa frente na regulamentação do CBD, temos o 32º e 94º PIBs respectivamente, com populações de 49 milhões e 3,5 milhões respectivamente. Temos um potencial de público consumidor a ser beneficiado com o CBD maior que a população do Uruguai.

A estimativa de recursos a serem movimentados no Brasil vai de R$ 1,1 bi a R$ 4,7 bi por ano, segundo estudo das empresas de dados do setor (New Frontier e Green Hub). A estimativa mais entusiasta representa valor equivalente a 6,5% do total do faturamento da indústria farmacêutica no país em 2017 (R$ 76 bilhões), amparada numa estimativa de que o país tenha ao menos 3,9 milhões de pacientes que poderiam ser tratados com Cannabis.

Evolução nas solicitações para Anvisa

O número de pacientes cadastrados para importação de CBD triplicou nos últimos quatro anos, quando a regulamentação foi aprovada no Brasil. Segundo a Anvisa, até o último dia 17 de maio, 2.094 pessoas fizeram pedidos para o uso da substância em tratamentos médicos. Se o ritmo de pedidos seguir assim até o final deste ano, a quantidade deve superar a de 2018 (3.613 autorizações solicitadas).

Número de solicitações recebidas:

2015 – 902

2016 – 901

2017 – 2.181

2018 – 3.613

2019 – 2.094 (até 05/2019)

Há aproximadamente 897 médicos que já prescreveram produto à base de CBD, sendo mais de 40 especialidades diferentes. O Brasil é considerado como o maior mercado potencial da América Latina.

Patologias, síndromes e transtornos com maior potencial de melhora com Cannabis Medicinal

  • Alzheimer
  • Ansiedade
  • Autismo
  • Câncer
  • Dor crônica
  • Enxaqueca
  • Epilepsia
  • Esclerose Múltipla
  • Fibromialgia
  • Parkinson

De acordo com Caroline Heinz, vice-presidente da HempMeds Brasil, “é uma vitória, pois com a autorização excepcional, mesmo que por apenas um ano, o mercado se altera, das importações compassivas para um medicamento controlado”.

O potencial desse mercado é tão grande, que o assunto também foi capa da Folha de S.Paulo na edição de 30 de setembro de 2019, com a neurologista da USP Laura Guilhoto dizendo que revisões demonstraram que o uso do CBD melhorou a espasticidade em pacientes com esclerose múltipla.

O próximo evento do LIDE FUTURO com o tema: “Cannabusiness: Potencial Nacional e Segmentos de Negócios”, já tem data para acontecer. Será no dia 18 de outubro, das 8h30 às 12h30, na cidade de São Paulo, exclusivo para filiados e convidados especiais.

Omie fecha parceria com LIDE FUTURO para potencializar networking entre empreendedores

A Omie, plataforma de gestão em nuvem número um para PMEs, acaba de anunciar parceria com o LIDE FUTURO, para realizar uma série de iniciativas que potencializem o networking entre participantes do festival de empreendedorismo e inovação promovido pela Omie no dia 8 de agosto, o We Are Omie Business Experience. Os ingressos podem ser adquiridos neste link

O LIDE FUTURO, que conta com um grupo bastante qualificado de lideranças jovens, como gestores de empresas como Grupo Hirota, Corello e Gama Academy, terá um espaço no evento voltado para a troca de experiências entre empreendedores e a formação de parcerias de negócios em potencial. 

Além disso, as empresas promoverão eventos antes e depois do We Are Omie, incluindo um debate sobre empreendedorismo e gestão para 70 convidados na sede da startup, no dia 11 de julho,e um happy hour de integração e networking, no dia 29 de agosto. 

O CEO e fundador da Omie, Marcelo Lombardo, explica que “com a parceria, o We Are Omie, criado para ser um dia de conexões que gerem negócios e tragam soluções práticas para alavancar as vendas das PMEs, torna-se ainda mais assertivo, já que passa a contar com a expertise em networking de uma das principais plataformas do setor”. 

O evento faz parte de uma série de ações da Omie para apoiar a cultura do crescimento e mostrar aos empreendedores que é possível empreender e prosperar no Brasil. Durante o festival, os participantes têm a oportunidade de conferir um dia repleto de palestras que incluem nomes como Shane Snow, Gustavo Cerbasi, Kiko Loureiro e Claudia Raia, entre diversos outros.

Segundo a CEO do LIDE FUTURO, Laís Macedo, “A Omie tem uma forte sinergia com o LIDE FUTURO, pois leva eficiência e prosperidade para empresas e fomenta o empreendedorismo em um ambiente de diálogo, propósito e negócios. No We Are Omie – um evento feito por empreendedores, para empreendedores – o LIDE FUTURO vai contribuir com um espaço qualificado para potencializar o networking entre players de todos os setores”.

O grupo foi escolhido pela Omie por ser formado por pessoas que estão transformando e impactando os seus mercados com novos modelos de atuação, novas tecnologias e negócios disruptivos, assim como a startup.