Empreendedorismo materno: romantização da profissão ou real necessidade?

Por Marisa Peraro, fundadora e CEO da Pro-Corpo Estética Avançada e membro do Comitê de Gestão do LIDE FUTURO

Romantizar o empreendedorismo materno pode ser cilada. Para algumas mulheres, o empreendedorismo pode ser a única opção, mas não significa que seja a mais fácil. De uns tempos para cá, a visão preconceituosa de que a maternidade e o empreendedorismo não podem caminhar juntos, tendo em vista que a mulher precisa dedicar seu tempo à casa e aos filhos, está aos poucos diminuindo.

As mulheres têm mostrado que é possível, sim, unir as duas características em uma só, no que ficou conhecido como empreendedorismo materno. Segundo o último estudo divulgado pela Rede Mulher Empreendedora (RME), das novas empresas criadas no Brasil, 52% são abertas por mulheres. Destas mulheres, mais da metade têm filhos.

Eu, particularmente, senti na pele o desafio de ser mãe e empreendedora quando voltei à empresa, depois de dar à luz ao meu primeiro filho. Fui descobrindo na prática que as coisas ficariam um pouco mais complicadas. Ser empreendedora no Brasil já é difícil por causa dos altos impostos, das dificuldades rotineiras e da burocracia. Além de tudo isso, por mais que eu tivesse as ideias e a vontade de fazer o meu negócio crescer, no final do dia, eu teria que parar tudo o que eu estava fazendo para voltar para casa, limpar, fazer comida, cuidar do meu filho e no outro dia sair para trabalhar novamente.

Embora o assunto seja romantizado e a maioria das pessoas acredite que ser empreendedora é sinônimo de ter mais tempo livre com os filhos, a grande verdade é que, ao contrário do que muitos imaginam, o empreendedorismo materno, na maioria das vezes, não surge com esse objetivo.

Sou mãe do Lucas, 10 anos, da Aline, 8 anos, e do Felipe, 7 anos, e nunca entendi o termo empreendedorismo materno até dar à luz ao Lucas. As pessoas sempre me falavam sobre empreendedorismo materno, mas eu nunca havia parado para ligar os pontos. Eu sempre gostei muito de trabalhar, mas confesso quando segurei meu bebê no colo pela primeira vez, senti vontade de parar o mundo e ficar em casa! Essa vontade durou apenas 10 minutos, e já me veio a realidade à tona: “você não pode fazer isso, você vai ter que sustentar essa criança”.

Independente da maternidade, o grande desafio é conseguir equilibrar todas as responsabilidades sem perder a força. Passei a enxergar que, além de ter que me virar para fazer a empresa dar certo e da responsabilidade que eu tinha com os meus funcionários, eu também tinha uma criança para sustentar. No meu caso, a empresa tinha que dar certo porque era o único sustento da minha família e, talvez, das famílias de todos que trabalhavam comigo. E isso é o que talvez tenha me dado ainda mais energia para fazer as coisas acontecerem.

Os desafios no empreendedorismo materno são diários e mudam conforme as necessidades. Um exemplo atual é o enfrentamento da pandemia por conta do novo coronavírus. Muitas pessoas perderam seus empregos e não estão conseguindo ser recontratadas por conta do momento difícil do mercado. E quando a necessidade bate à porta, é preciso criatividade e motivação.

Tenho visto mulheres que estão costurando máscaras em casa durante a pandemia e colocando os maridos para vendê-las nas ruas. Ali está surgindo um negócio! Ela também não deixa de ser uma empreendedora que, enquanto fica com os filhos em casa, está tendo que se virar para garantir o sustento da família. Quando a necessidade bate, você tem que ter jogo de cintura para fazer as coisas acontecerem.

Para esta nova comunidade empreendedora, já existem empresas especializadas no suporte e compartilhamento de histórias que servem como motivação, apoio emocional e até mesmo como plataforma de dicas sobre como empreender e dividir as tarefas como mãe. Uma delas é a B2Mamy.

O empreendedorismo materno não é uma inovação no mundo, não é algo inteiramente novo. As atividades performadas pelas mulheres mostram que é possível empreender sendo mãe ou não. Talvez seja um pouco mais difícil quando se é mãe, ou talvez não. Talvez seja a melhor opção, ou talvez a única. A maternidade faz muitas mulheres se redescobrirem e encontrarem forças que nem imaginavam existir dentro de si. Quem sabe não seja o empurrão que faltava para criarem um novo começo? Um recomeço? Cabe às mulheres decidirem o que é melhor para si e seguirem em frente.

PARTICIPE DO LIDE FUTURO

Capítulos Recomendados