Como o COVID-19 salvou minha vida

Por Israel Pestana Soares, Mestre em Engenharia Ambiental e Diretor Comercial da Aires Serviços Ambientais, além de filiado do LIDE FUTURO

Tenho 65 anos e o cenário implantado pelo COVID-19 salvou a minha vida, mesmo sendo uma pessoa classificada como grupo de risco, por estar em uma faixa etária mais avançada e ainda possuir problemas cardiorrespiratórios. Parece loucura, não é?!

Antes de tudo, deixe-me me apresentar: meu nome é Carlos Sadi, 65 anos, casado, com filhos e netos. Depois falarei dos meus negócios. Agora quero focar na minha saúde e na de todos vocês.

Tenho tomado todas as medidas necessárias para me prevenir da contaminação pelo vírus. Penso que devo proteger não somente minha família, mas sim toda sociedade. Estabeleci a premissa de que essa pandemia não iria interferir em minhas rotinas de pessoa idosa. Acordo às 04:30 (durmo cedo para tal) e preparo meu café da manhã, seguindo as recomendações do meu geriatra. Saio sempre de máscara, luvas e sempre higienizo minhas mãos e braços com água e sabão, além de evitar contato das mãos com minhas mucosas faciais.

Mas por que o COVID-19 me salvou?

Basicamente, porque a poluição do ar diminuiu absurdamente com o lockdown global. Portanto, estatisticamente falando, estou correndo menos risco. Ainda não entendeu? Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 4,1 milhões de mortes prematuras ocorrem anualmente por problemas associados à poluição do ar. Por conta do Corona, estou respirando um ar mais puro e menos poluído. Milhões de pessoas em todo o mundo que são classificadas como grupos sensíveis para desenvolver problemas cardiorrespiratórios e até mesmo câncer devido à poluição do ar, estão respirando um ar mais puro. Dentro desse grupo estão: fetos, crianças abaixo de 5 anos, idosos com mais de 60 anos e pessoas com problemas respiratórios.

Um artigo recém publicado por pesquisadores da universidade de Harvard relaciona o número de mortes de pacientes infectados com COVID-19 com a exposição de longo prazo à poluição do ar nas cidades americanas. Segundo os pesquisadores, pessoas que habitam em cidades mais poluídas estão mais susceptíveis a desenvolver complicações e chegar ao óbito. Os resultados apontam que o acréscimo de 1µg/m³ nas concentrações de PM2.5 (partícula muito fina que adentra os alvéolos pulmonares) aumentam em 15% a chance de óbito por COVID-19. Portanto, temos um efeito combinado do vírus com a exposição à poluição do ar.

Você deve estar se perguntando: Mas e os efeitos econômicos dessa paralização? O senhor não acha ruim o que está acontecendo? Eu digo que, com toda certeza, o impacto econômico na economia global está sendo muito comentado. Esse é o efeito imediato da paralisação das atividades: o faturamento das empresas diminui e as pessoas acabam sendo demitidas, o PIB reduz e a economia não cresce em função das incertezas do mercado. Contudo, o que não está sendo tão comentado são os ganhos econômicos ambientais nesse período de COVID-19.

Ninguém contou que menos animais estão ficando doentes e se desenvolvendo mais saudáveis, ou que as árvores e plantas estão aumentando a sua capacidade fotossintética, produzindo mais frutos e ainda mais saborosos. Ninguém reparou que há uma redução de desgastes de edifícios, monumentos e obras de arte, por conta da redução de formação de chuva ácida e deposição de partículas em suas superfícies. Tampouco deram importância para a redução de internações hospitalares por problemas cardiorrespiratórios. Sem contar a diminuição na emissão de gases do efeito estufa para a atmosfera que, em conjunto com o aumento da capacidade fotossintética da flora (aumenta o sequestro de CO2 na atmosfera), reduz o impacto do aquecimento global.

Falando agora sobre negócios, tenho um restaurante que é estritamente focado em atendimento aos clientes no local, um conceito de vender uma verdadeira experiência gastronômica para nossos clientes. Entretanto, não estamos atendendo ninguém. O resultado disso é faturamento zero desde que a quarentena teve início para nós, em 09 de março de 2020. Tivemos que evoluir e passar a trabalhar com entregas, mas, para não perder o conceito de experiência de nossos clientes, passamos a filmar desde a compra dos materiais  até o preparo da refeição de cada cliente, para que ele receba por YouTube todo o carinho e atenção que foi dado ao seu prato.

Portanto, frente à necessidade de evoluir rapidamente, entendo que para a economia tangível, tivemos uma transformação bastante significativa na maneira de fazer negócios entre empresas (B2B) e consumidores (B2C).

Muitas empresas perceberam oportunidades de reduzir custos operacionais com a implementação do home office, que para diversas profissões e perfis de colaboradores realmente funciona.

Meu filho Héctor, por exemplo, me contou que os artistas estão fazendo shows de suas próprias casas com milhões de pessoas assistindo, ou seja, público muito maior que obteriam normalmente e com um custo e impacto ambiental muito menor. Com toda certeza ocorreu uma disruptura na indústria do entretenimento.

Estou completamente convicto de que os ganhos econômicos ambientais em escala global, muitas vezes intangíveis, e a evolução na maneira de fazer negócios superam todas as perdas imediatas da economia.

Além disso, espero, de todo meu coração, que a sociedade aprenda com essa lição que nos foi passada pela mãe natureza e que possamos evoluir como seres humanos, homens e mulheres de negócios, mas principalmente como amigos do planeta.

nota: os personagens usados neste texto são fictícios.

Capítulos Recomendados

Nenhum comentário, faça o seu!


Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *