Cannatech: Por que as startups de pesquisa e desenvolvimento de Cannabis são a melhor oportunidade de investimento

O verdadeiro diferencial do mercado de Cannabis está nas empresas que investem em inovação para melhorar o bem-estar do paciente

Pacientes, empresários e investidores brasileiros aguardam com expectativa o resultado das duas iniciativas regulatórias que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) lançou este ano, uma sobre o cultivo de Cannabis para fins medicinais e científicos, outra sobre o registro de medicamentos à base da planta. A possibilidade de o país regular a matéria atraiu o interesse de muita gente, especialmente entre quem deseja cultivar. Mas, faz sentido?

Faz, afinal a Cannabis é uma planta, o país é “agro” e a demanda por tratamentos com Cannabis só cresce em todo o mundo. Mas acreditar no cultivo como a única ou mesmo como a melhor opção de investimento na área é uma aposta arriscada.

A Cannabis logo vai se tornar uma commodity, como qualquer outra. O preço da matéria-prima vegetal, que hoje é exorbitante por estar distorcido pela proibição de cultivo, vai cair drasticamente nos próximos anos. E o Brasil, quando e se entrar nesse mercado, vai encontrar margens bem mais baixas que as atuais.

No contexto das Américas, largamos atrás dos pioneiros Uruguai e Colômbia, e mesmo de Peru, Chile e até Paraguai, além de diversos países do Caribe e da América Central, que já têm regulações em andamento. Até mesmo os EUA, que legalizou o cultivo de cânhamo em nível federal no ano passado, vai contribuir para reduzir o preço da commodity, com um aumento de duas a seis vezes em sua produção lícita anual em 2019.

Em médio a longo prazo, é possível que nem se precise mais de plantas para produzir medicamentos à base de canabinoides: já que existem empresas produzindo Canabidiol (CBD) e Tetrahidrocanabinol (THC) com leveduras. O processo é parecido com o de fermentação da cerveja, a diferença é que as células produzem as moléculas originais da planta, em vez de álcool.

E este exemplo mostra onde realmente vai valer a pena investir num futuro breve: em ciência e tecnologia. Cada vez mais, serão as empresas de Cannabis e tecnologia que terão valor, em vez daquelas que simplesmente plantam e colhem matéria-prima. Mesmo para quem investir em negócios estritamente agrícolas, o investimento em pesquisa será o diferencial que pode determinar se a empresa sobreviverá ou não ao aumento da concorrência.

A Cannabis tem um grande potencial terapêutico, mas é a ciência e a inovação que podem levar o potencial terapêutico dessa planta a muito mais pessoas. É nisso que acreditamos. E é para isso que a Entourage Phytolab trabalha nos nossos laboratórios em Valinhos, no estado de São Paulo.

Para produzir nosso primeiro medicamento, desenvolvemos em parceria com a Unicamp uma tecnologia de extração dos canabinoides da planta, com eficiência e produtividade significativamente superiores aos do padrões do mercado. Para cada quilo de planta processado, a maioria das empresas perde 10 a 20% dos canabinoides durante a extração.

Em nosso processo, essa perda não chega a 5%. E conseguimos esse resultado num tempo cerca de cinco vezes menor, o que representa uma economia adicional de energia, solventes e recursos naturais. Menos custo para a empresa – e maior competitividade. E, ao mesmo tempo, custos mais acessíveis aos pacientes.

O desenvolvimento de formulações farmacêuticas modernas é outra área importante. Nossas formulações, testadas em ensaios pré-clínicos, mostram biodisponibilidade quatro a seis vezes superior a dos produtos comercializados atualmente no mundo.

Isso significa que o paciente precisa tomar uma dose menor de CBD para obter a mesma concentração da droga no sangue. Ou seja, ele vai obter o mesmo efeito no tratamento, com menos remédio e custo menor. Com doses mais baixas, ele também está sujeito a menos efeitos colaterais. É o investimento em ciência ajudando os dois lados do balcão.

São essas tecnologias voltadas para o bem-estar do paciente – e para a segurança de quem prescreve – que serão o verdadeiro diferencial do mercado de Cannabis. E nisso, esse setor não tem nada de diferente dos outros. Afinal, é aquela velha história: qual negócio vale mais a pena, vender sacas de café ou cápsulas de Nespresso?

Entourage Phytolab

Crédito foto: Rodrigo Braga/Divulgação

Capítulos Recomendados

Nenhum comentário, faça o seu!


Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *