Canabidiol, uma opção de tratamento promissor, para a saúde e para os negócios

O LIDE FUTURO promoveu, no dia 13 de agosto de 2019, a 22ª edição do LIKE THE FUTURE, intitulada: “Cannabusiness: um mercado bilionário”. O evento, que teve como um de seus patrocinadores a HempMeds Brasil, propôs um debate impactante sobre o potencial de mercado do composto da Cannabis Sativa no Brasil e no mundo, o canabidiol (CBD).

Do evento para cá, grandes mudanças já ocorreram. Desde o dia 2 de outubro, pacientes e familiares podem solicitar a importação excepcional de produtos à base de CBD, diretamente no site do Governo Federal. A nova ferramenta foi anunciada no dia 24 de setembro pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A partir deste mês, os pedidos de importação do canabidiol serão feitos em um portal do Governo Federal (link: https://www.gov.br/pt-br/servicos/solicitar-autorizacao-para-importacao-excepcional-de-produtos-a-base-de-canabidiol). A proposta pretende agilizar os atendimentos – que hoje registram espera de quase 50 dias – feitos a partir de um formulário que será enviado diretamente à Anvisa. Este novo processo tende a melhorar o tempo de atendimento e os pacientes poderão acompanhar sua situação de análise do pedido no portal.

A autorização excepcional (RDC 17/2015) concedida pelo governo possui validade de um ano e, durante o período de validade dessa autorização, fica liberada a importação dos quantitativos necessários, sendo que os pacientes ou responsáveis legais deverão apresentar a prescrição médica com o quantitativo previsto para o tratamento.

Linha do tempo de avanços na Anvisa

  • RDC no 38, 12 de agosto de 2013 – Regulamenta o CBD para o “uso compassivo”;
  • RDC no 17, 6 de maio de 2015 – Regulamenta a importação de produtos à base de CBD para uso próprio de pessoa física, mediante prescrição médica;
  • RDC no 156, 5 de maio de 2017 – Inclui a Cannabis Sativa na DCB (Denominações Comuns Brasileiras) como planta de uso medicinal.

Potencial brasileiro

O Brasil possui extremo potencial para o agronegócio, com diversos microclimas e terras. Além de dimensões continentais, conta com muitos países que faz fronteira, o que também garante potencial para exportar produtos via transporte terrestre, fluvial e marítimo. É o sétimo maior PIB (Produto Interno Bruto) do mundo e o país mais populoso da América Latina. Se compararmos com a Colômbia e Uruguai, que estão na nossa frente na regulamentação do CBD, temos o 32º e 94º PIBs respectivamente, com populações de 49 milhões e 3,5 milhões respectivamente. Temos um potencial de público consumidor a ser beneficiado com o CBD maior que a população do Uruguai.

A estimativa de recursos a serem movimentados no Brasil vai de R$ 1,1 bi a R$ 4,7 bi por ano, segundo estudo das empresas de dados do setor (New Frontier e Green Hub). A estimativa mais entusiasta representa valor equivalente a 6,5% do total do faturamento da indústria farmacêutica no país em 2017 (R$ 76 bilhões), amparada numa estimativa de que o país tenha ao menos 3,9 milhões de pacientes que poderiam ser tratados com Cannabis.

Evolução nas solicitações para Anvisa

O número de pacientes cadastrados para importação de CBD triplicou nos últimos quatro anos, quando a regulamentação foi aprovada no Brasil. Segundo a Anvisa, até o último dia 17 de maio, 2.094 pessoas fizeram pedidos para o uso da substância em tratamentos médicos. Se o ritmo de pedidos seguir assim até o final deste ano, a quantidade deve superar a de 2018 (3.613 autorizações solicitadas).

Número de solicitações recebidas:

2015 – 902

2016 – 901

2017 – 2.181

2018 – 3.613

2019 – 2.094 (até 05/2019)

Há aproximadamente 897 médicos que já prescreveram produto à base de CBD, sendo mais de 40 especialidades diferentes. O Brasil é considerado como o maior mercado potencial da América Latina.

Patologias, síndromes e transtornos com maior potencial de melhora com Cannabis Medicinal

  • Alzheimer
  • Ansiedade
  • Autismo
  • Câncer
  • Dor crônica
  • Enxaqueca
  • Epilepsia
  • Esclerose Múltipla
  • Fibromialgia
  • Parkinson

De acordo com Caroline Heinz, vice-presidente da HempMeds Brasil, “é uma vitória, pois com a autorização excepcional, mesmo que por apenas um ano, o mercado se altera, das importações compassivas para um medicamento controlado”.

O potencial desse mercado é tão grande, que o assunto também foi capa da Folha de S.Paulo na edição de 30 de setembro de 2019, com a neurologista da USP Laura Guilhoto dizendo que revisões demonstraram que o uso do CBD melhorou a espasticidade em pacientes com esclerose múltipla.

O próximo evento do LIDE FUTURO com o tema: “Cannabusiness: Potencial Nacional e Segmentos de Negócios”, já tem data para acontecer. Será no dia 18 de outubro, das 8h30 às 12h30, na cidade de São Paulo, exclusivo para filiados e convidados especiais.

Capítulos Recomendados

Nenhum comentário, faça o seu!


Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *