Como fazer escolhas diante de um universo de possibilidades?

Por Rafael Cosentino, Presidente do Comitê de Gestão do LIDE FUTURO

Demorei quase duas semanas para completar meu texto sobre minha experiência no South By Southwest (SXSW) 2019 e simplesmente ainda não acho que tenha conseguido digerir 100% da experiência que o evento me proporcionou. Ainda considero uma enorme responsabilidade escrever, primeiro porque ao descer do avião em Austin, você entende que algo muito diferente está para acontecer olhando ao seu redor, e percebe que existem pessoas de todas as nacionalidades do mundo e que o lugar pode ser a casa temporária de todos! A cidade possui um grande policiamento e ótima infraestrutura para que locais e estrangeiros convivam em harmonia pelos próximos dias.

Ainda sobre Austin, você percebe que mesmo sendo a capital do Texas, é uma cidade calma com uma vida universitária ativa e preparada para receber eventos. Ao redor do centro de convenções são mais de 15 hotéis e todos com suas salas de convenções, algumas interligadas com o grande pavilhão. As estimativas dos organizadores é que passaram por lá quase 450.000 (quatrocentas e cinquenta mil) pessoas em todos os dias do evento, um número que por si só já impressiona. Os brasileiros, inclusive, somaram 1.600 participantes em 2019.

Mas vamos ao evento:

No primeiro dia você descobre que não se preparou o suficiente e que a FOMO (Fear of Missing Out), famosa síndrome de se sentir por fora, pode e deve atacar, pois serão em apenas dez dias mais de 5.000 eventos, sendo muitos simultâneos e, por consequência, suas escolhas importam muito! Logo no primeiro dia, percebi que tinha selecionado diversas palestras muito legais e obviamente uma em cima da outra e com isso acabei tendo que fazer minhas escolhas! Mas como brasileiro sempre se apoia logo no primeiro dia, diversos grupos de Whatsapp surgem e isso te ajuda a acompanhar as demais palestras do evento com o áudio transcrito pelo menos e, ainda de quebra, serve como ótimo repositório de conteúdo!

Sobre conteúdo em geral, o SXSW é um evento de diversos temas, que aborda desde diversidade, liderança, tecnologia, marketing, novos mercados, como o de Cannabis, a cinema, música, games, visões de futuro e feiras com apresentação de startups e produtos. Como suas escolhas importam, é muito importante que você saiba quais são os seus objetivos e pontos de interesse com o evento. Foram escolhas difíceis, mas meu interesse está no mercado imobiliário, tecnologia e saúde. Após alguns conflitos de agenda, consegui traçar uma rota que obviamente não cumpri 100% e, o principal, você descobre que uma hora é necessário comer algo e isso pode te fazer perder alguma palestra, faz parte!

Meu circuito de palestras foi tentar entender como eles estão enxergando as cidades do futuro, desde como a população pode ajudar com isso, até a questão da mobilidade nas cidades, seja com aplicativos de transporte compartilhados até os novos desafios dos carros compartilhados. Nas duas palestras, algo que foi bastante ressaltado foi o fato de sempre se usar a tecnologia para expandir e manter o maior número de pessoas informadas dos acontecimentos.

Outra palestra muito interessante foi sobre como a análise genômica de um vírus pode ajudar as autoridades de saúde e cientistas a traçar a rota de um vírus, sendo possível descobrir de qual cidade do mundo o vírus surgiu e por onde ele entrou em determinado país! (Tínhamos como exemplo, infelizmente, o caso do Brasil com o vírus da Zika, em que, graças ao sequenciamento, foi possível determinar quando e por onde ele migrou do continente africano para o Brasil).

Em alguns momentos peguei algumas palestras mais aspiracionais ou mais desenvolvedoras de conteúdo como o caso do Interactive Keynote, com o Roger Mcnamee, em que ele explicou como o Facebook foi tolo o suficiente para ser pego no caso do uso indevido de dados dos seus usuários e que hoje ele estava mais preocupado com Microsoft, Google e Apple pelo fato de eles estarem sendo cuidadosos para ninguém conseguir fazer nada. Em outra palestra, muito bacana, tivemos uma entrevista com a Gwyneth Paltrow. Na minha opinião, a melhor palestra do evento! Além de mostrar o seu lado empreendedora e líder do seu negócio, a entrevistadora, a jornalista Poppy Harlow, conseguiu extrair um lado humano, de filha, mãe, esposa e mulher da Gwyneth que fez a palestra ser única e bem produtiva. Foi tão boa que gerou a curiosidade e me fez pegar um patinete da Jump e ir até a Pop Up Store deles em Austin.

Outras duas palestras incríveis foram com Nile Rodgers e com o Merck Mercuriadis e a entrevista com o Adam Horovitz e Michael Diamond do Bestie Boys.

Ainda sobre o conteúdo, conferi palestras como “Criando confiança em tempos desconfiados”, “Coletando seus dados de forma exaustiva e isso pode ser sua vantagem”, “Como o VR e o AR estão mudando a forma como nós nos expressamos” e “Blockchain, o voto: Votando em aparelhos Mobile com Blockchain”, essas com conteúdo bem legais, mas mais Hype, e, de certa forma, um pouco mais longe do atual cenário do Brasil, mas provavelmente um breve rumo do nosso futuro, claro, que este está em constante mudança.

Dos participantes do evento, minha conclusão é que você está com a oportunidade de estar junto com as melhores cabeças do mundo dos mais diversos assuntos por dez dias, isso é único e uma baita oportunidade, por isso não tenha medo de conversar, fazer perguntas e interagir, realizar networking puro com diversas pessoas do mundo!

Uma parte muito interessante e que ajuda a criar a sua atmosfera são as ativações desenvolvidas ao redor do evento. São diversos países e empresas que assumem espaços da cidade com suas próprias “casas”, desde o nosso Brasil, passando por Canadá, Austrália, Escandinávia, alguns que visitei, e empresas como SAP, Dell, Alienware, Facebook, LinkedIn, entre outras. O interessante é que essas casas geram conteúdos paralelos ao evento principal e normalmente no final do dia, desde shows até eventos de comédia e, claro, os famosos free drinks!

Após esses dias intensos e de muita experiência adquirida no meu primeiro SXSW 2019, em uma conversa com alguns amigos que participaram comigo, nossa conclusão é que mesmo em alguns momentos participando das mesmas palestras, o evento é tão grande e com tanta informação simultânea que me arrisco a dizer que todos que tiveram a experiência de participar de um SXSW tiveram o “SEU SXSW”, isto é, ninguém possui a mesma memória ou a mesma opinião de nada do evento. Aliás, isso que faz com que seja um evento único e transformador. Que venha o SXSW 2020.

Capítulos Recomendados

Nenhum comentário, faça o seu!


Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *